Ventos fortes de ilusão
Vagueiam por entre os dedos
Minhas mãos em tua mão
Criando novos enredos.

Minha boca em teus espaços
Morde a taça dos bons vinhos
E os meus braços nos teus braços
Já traçam novos caminhos.

Lanço a sorte em teu regaço
As cartas do desatino
No teu ventre já eu passo
Vou descendo ao meu destino.

À fogueira que me espera
Onde eu próprio vou arder
Mas quero arder na quimera
E de novo renascer.

publicado por Luis Linhares às 00:49