Hoje não consigo escrever um poema.

A mão vai mexendo enquanto que a pena

Em vão vai buscando as linhas do Amor.

Poemas, poemas...Oh vinho maldito

Caindo nos lábios de alguém aflito

Por matar a sede com gotas de dor.

 

Noites se seguem a dias dispersos

Procurando a Musa dos meus tristes versos.

O lume que acende meus becos escuros

Poemas, poemas...Oh tristes palavras

Lancei-vos ao vento em ondas quebradas

Num mar sem navios e portos seguros

publicado por Luis Linhares às 09:51