Agora o meu corpo está ferido
Prostrado como um animal na terra
Aberto, sem acordo, estendido
Descansa nas beiradas desta guerra

Sangrando, vê as feridas que ficaram
Da luta de viver todos os dias
Das palavras e dos gestos que marcaram
Das promessas que esperava e não cumprias

Lutei, matei, mais eis que derrotado
Me estendo na espera dessa morte
E tu és o guerreiro, que elevado
Num golpe decidiu a minha Sorte...

publicado por Luis Linhares às 00:47