Diz-me Antero, onde caminha o Soneto

 

Que me traga o Paraíso

 

E o corpo ardente de volúpia?

publicado por Luis Linhares às 14:14